Buscas Zona Franca da Madeira

Buscas Zona Franca da Madeira

O Presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, disse esta quinta-feira que está «de consciência tranquila» porque não cometeu «qualquer ilegalidade» no âmbito das buscas ontem realizadas à Zona Franca da Madeira.

Em declarações aos jornalistas depois dos acontecimentos de ontem, o responsável referiu que já está há muitos anos há frente da região e por isso não teme qualquer consequência. «Não tenho nada a esconder, estou perfeitamente e consciência tranquila, uma vez que não cometi qualquer ilegalidade ou ato ilícito», afirmou.

«O que eu acho que é fundamental neste momento é apurar tudo aquilo que há para apurar, toda a documentação, e dizer que colaboramos totalmente com a justiça, sem qualquer problema», disse Miguel Albuquerque sobre a mesma investigação.

Questionado sobre se se sente traído na sua «honra e dignidade», o governante responde que não, porque não foi acusado de nada. «Eu sempre actuei dentro dos padrões éticos e vou continuar a fazê-lo», disse. Claro que «podemos tomar decisões erradas, agora tomar uma decisão errada controversa já é diferente», acrescentou.

Miguel Albuquerque falou também sobre a disparidade dos números da pandemia na Direção Geral da saúde (DGS). «Essa situação está em vias de ser esclarecida e penso que não tem nenhum sentido haver essa disparidade nos números», afirmou.

Recorde-se que na quarta-feira foi avançada a noticia de que o Governo Regional da Madeira estava a ser alvo de buscas pelo Ministério Público (MP), com o seu presidente, Miguel Albuquerque, a ser o foco principal.

O MP esteve ontem nas instalações da vice-presidência do Governo Regional da Madeira, apreendendo assim toda a documentação sobre a concessão do Centro Internacional de Negócios da Madeira (Zona Franca) ao Grupo Pestana.

Adicionalmente, «os magistrados pediram todas as deliberações tomadas pelo Governo Regional sobre o assunto desde 1987», ano da concessão da Zona Franca e da constituição da Sociedade de Desenvolvimento da Madeira, que também foi alvo de buscas.

Executive Digest