Polkadot cai 99% em um minuto na Binance e liquida R$ 102 milhões

Após uma queda relâmpago nos contratos futuros do Polkadot (DOT) nesta sexta-feira (5), a Binance prometeu rever seus controles de mercado.

O preço dos contratos saiu de R$ 187 para R$ 1,42, uma queda de mais de 99%. Logo em seguida, o DOT se restabeleceu e manteve sua cotação em torno dos US$ 33.

Contudo, o estrago já havia sido feito. Cerca de R$ 102 milhões em contratos foram liquidados na exchange em apenas um minuto.

Gráfico com a variação de preço do Polkadot (DOT) nas últimas 24 horas. Fonte: CoinMarketCap
Gráfico com a variação de preço do Polkadot (DOT) nas últimas 24 horas. Fonte: CoinMarketCap

No momento da escrita desta matéria, o DOT está cotado a quase U$$ 34, aproximadamente R$ 192.

Em comunicado enviado à CoinDesk, um representante da Binance afirmou que a queda se deu devido a uma grande retirada:

“Um usuário colocou um único pedido de stop market [termo usado para ‘tipos de ordem’] no mercado, o que acionou essa agulha.”

Novas medidas

Segundo a exchange, o usuário que realizou essa movimentação ocupava uma alta posição que ultrapassava o total de ordens disponíveis.

Em resposta à situação, a empresa afirmou que irá adicionar novos controles de limite nas ordens.

Apesar do ruído no mercado, a Binance garantiu que a movimentação não atingiu outros investidores.

“Isso não afetou a posição de nenhum outro usuário, já que estamos usando o preço de mercado para liquidações.”

Token em alta

Desde quando surgiu, o Polkadot sempre esteve no campo de visão de investidores e traders. Isso porque seu criador é ninguém menos que Gavin Wood, cofundador do sistema Ethereum e um dos membros da solução de escalabilidade Sharding.

A proposta rede da Polkadot é proporcionar transações mais rápidas que outras blockchains do mesmo segmento, como o Ethereum, tornando suas taxas mais atrativas.

Sendo pelos atrativos do sistema ou não, o DOT tem conquistado espaço no mercado. O DOT tornou-se a quarta criptomoeda mais “quente” em termos de valor de mercado.

Atentos ao seu crescimento e popularidade, as firmas de Wall Street Goldman Sachs, JPMorgan e UBS já estão investindo na criptomoeda.

Criptomoedas