Região da Bairrada vai receber a primeira fábrica de reciclagem de lítio

Região da Bairrada vai receber a primeira fábrica de reciclagem de lítio

A EDM Tech, uma empresa localizada em Oiã, na zona de Oliveira do Bairro, que produz baterias de lítio, pretende iniciar até ao final do ano um projeto de reciclagem das mesmas, numa unidade própria que se vai fixar na região, ainda que para já não exista um sítio definido, avança a ‘TSF’.

A confirmação é dada à estação de rádio pelo próprio administrador da empresa, Paulo Alves. «Neste momento estamos na fase de licenciamento, e também temos a parte da conceção do projeto praticamente definida», afirma. «Estamos à procura de escolher o melhor caminho de financiamento para esta operação», acrescentou.

O responsável revelou que «a fábrica vai ter uma capacidade de produção de oito toneladas por dia, no entanto não sei se neste momento será demasiado para as necessidades de Portugal, por isso estamos a pensar no mercado português e espanhol, como solução».

«A EDM é uma empresa com 10 anos, nós começámos na área do desenvolvimento eletrónico, depois fomos para a indústria e focámo-nos no desenvolvimento de produto e há cerca de sete anos começámos a desenvolver baterias por medida», explica Paulo Alves. «Há dois anos verificámos que existe uma falha no mercado, com o crescimento exponencial das baterias de lítio», adianta.

O administrador da empresa revela ainda que «decidimos que faz parte do nosso principio a reciclagem e por isso tivemos que ter uma atividade mais limpa». «Acreditamos no ambiente e queremos ter uma pegada amiga deste e também porque é uma necessidade que devemos colmatar», referiu citado pela ‘TSF’.

A estratégia, explica, passa por «avançar já com o licenciamento de armazenamento de lítio para podermos durante o ano começar a receber lítio de vários fornecedores, e assim que tivermos a fábrica começamos a escoar o material, de forma termos maior produtividade».

Espera-se que a produção arranque até ao final de 2021, com cerca de dez colaboradores na fábrica, pois «as baterias têm um processo de desmantelagem que exige alguma mão de obra especializada, pois as baterias dos automóveis têm uma tensão que é fatal, por isso é preciso obedecer a um processo rigoroso para evitar acidentes», conclui Paulo Alves.

Executive Digest